Roberto Rodrigues de Menezes.

Roberto Rodrigues de Menezes



sábado, 21 de agosto de 2010

Orlando furioso.

Orlando Furioso é um poema-romance de Ludovico Ariosto, italiano nascido em Reggio Emilia no ano de 1474. Morreu em Ferrara com 60 anos. A obra é uma das mais comentadas da época renascentista na Europa. Na gravura acima, o herói Astolfo vai até a lua no Hipogrifo, cavalo alado com cara de ave, para recuperar o juízo de Orlando, que ficara dentro de uma ampola.
********************
O poema cavaleiresco Orlando Furioso narra a guerra entre ocidente e oriente, entre os europeus e os sarracenos, entre cristianismo e paganismo. Aventura fantasiosa com amor e ódio, sabedoria e imprudência, tragédia e comédia. A primeira edição do poema foi publicada em Veneza em 1516, à custa e em homenagem ao cardeal Hipólito, mecenas de Ariosto. Compreendia quarenta cantos ou oitavas.
********************
História:
Angélica, a bela filha de Galafrão, rei de Cataio, visita a França e chega à corte do rei Carlos Magno. Todos os cavaleiros por ela se apaixonam, inclusive os primos Reinaldo de Montaubam e Orlando da Bretanha. Carlos Magno, porém, entrega a jovem ao velho Namo, duque da Baviera, mas ela consegue fugir de seu castelo. Orlando corre atrás da amada. Ela se apaixona e casa com um jovem sarraceno de nome Medor, ferido por seus inimigos. Angélica o socorre e salva. Orlando, em busca da jovem, corre os campos e florestas.
********************
Um pastor confirma a Orlando que a sua bela estava casada com Medor, o sarraceno. Ele se enfurece e perde a razão. Uma ampola com seu juízo aparece na lua.
*******************
Medor e Angélica passeiam. Orlando passa por eles, vê a amada com o outro e derruba os dois do cavalo num acesso de cólera. Angélica não o reconhece, pois Orlando estava com a barba grande e rosto macilento.
*******************
Astolfo, primo de Orlando, um jovem que nunca mentiu, recebe a graça de cavalgar o Hipogrifo até o paraíso. Lá recebe a ajuda de São João Evangelista, indo ate a lua, local da ampola com o juízo do amigo.
********************
Enquanto isso, Orlando continua com seus acessos de fúria, quando chega a arrancar troncos de árvores.
*******************
Na lua se encontravam todas as coisas perdidas na terra. Lá está a ampola com o juízo de Orlando.
********************
Orlando, num gesto de fúria, joga num abismo a sua fiel espada Durindana, que na sua origem pertencera ao herói Heitor, da guerra de Tróia.
********************
Astolfo, de posse da preciosa ampola, volta à terra e encontra Orlando numa praia. Com a ajuda de dois cavaleiros pega-o à força e imerge sua cabeça várias vezes na água, deixando-o quase sufocado. Leva o amigo e o joga na areia onde ele, tentando respirar, aspira seu juízo e recobra a razão. Refeito, vai viver a sua vida e tenta esquecer a amada Angélica, que nunca o quis e está casada.
********************
Na parte final do romance o herói Rinaldo defende o rei Carlos Magno e efetua luta mortal contra Rogério, o cavaleiro sarraceno, vencendo-o, apesar de ser seu amigo. Rogério casara secretamente com Bradamante, irmã de Rinaldo. Esta fora até a gruta do mago Merlin, sendo recebida pela maga Melissa, que lhe predisse que teria numerosa e gloriosa descendência.
O filho de Rogério e Bradamante, também chamado Rogério, vingará a morte do pai, combaterá na Itália e ganhará seu feudo.
*******************
Rinaldo e Rogério lutam por Carlos Magno e pelo rei dos sarracenos. Rinaldo vence e confirma a vitória final de Carlos Magno.
***************
Síntese de documentário da Enciclopédia Trópico. As gravuras constam da Enciclopédia. Já procurei estes dez magníficos volumes na Internet ou em alguma editora (novos). Não há. Só existem números avulsos e usados para venda. É coleção que dá ênfase à literatura mundial em todos os tempos e a biografias de grandes artistas. História da Civilização, Histórias da Bíblia, enfim, documentários soberbos da área de ciências humanas e clássicas.
********************



2 comentários:

  1. Estou lendo "Orlando Furioso" e cheguei a este blog ao visualizar os desenhos do documentário, justamente porque estas ilustrações da Enciclopédia Trópico fizeram parte da minha infância e juventude, quando eu as folheava quase diariamente! E os meus documentários preferidos eram justamente aqueles sobre os clássicos da literatura e demais biografias. Fiquei muito contente com esta sua postagem.

    ResponderExcluir